Home > DESTAQUES > Vereadores reconhecem necessidade do toque de recolher em Salvador e defendem prorrogação de auxílio

Vereadores reconhecem necessidade do toque de recolher em Salvador e defendem prorrogação de auxílio

Apesar das críticas sofridas pelo prefeito Bruno Reis (DEM) por parte de setores do comércio, pelas medidas restritivas adotas e ampliação do toque de recolher em Salvador, o gestor ao menos tem ao seu lado lideranças da Câmara Municipal. 

Seja de oposição ou da base do governo, é consenso que as ações tomadas nas últimas semanas são urgentes para tentar reduzir a taxa de contaminação da doença.

A petista Marta Rodrigues, líder do bloco de oposição na CMS, destaca o esforço não só do seu colega de partido, o governador Rui Costa (PT), como de Bruno Reis (DEM).


Ela reconhece a “pressão” sofrida pelos gestores, que se emocionaram em entrevista a programas de TV local nesta segunda-feira (1°) ao comentarem a situação da rede saúde no município e estado e casos como a morte de uma garota de 16 anos, vítima de Covid-19.


Apesar de fazer uma avaliação positiva da condução de Bruno Reis, Marta pontua que o problema do transporte público ainda precisa ser resolvido. A edil pontuou a dificuldade de convencer a população da necessidade do isolamento social, quando os ônibus permanecem cheios em horários de pico na cidade.


Para o líder do governo, Paulo Magalhães Jr. (DEM), o prefeito e o governador acertaram ao prorrogar o toque de recolher, que impede a circulação entre às 20h e 5h, e impõe o fechamento de atividades não essenciais.


O demista concordou que ambos os gestores têm tomado decisões acertadas.


“Temos que tentar todas as formas de minimizar a possibilidade de aglomeração, de encontros […] não podemos deixar acontecer o caos na saúde, do jeito que está crescendo, a cada dia, se continuar nesse ritmo podemos esperar o pior. Por isso, o prefeito e governador têm tomado medidas duras e necessárias nesse momento”, salientou.


Cris Correia, líder do PSDB na Casa, acrescenta que as decisões do poder público são pautadas em estatísticas e dados científicos. No caso do toque de recolher em vigor em todo o estado, explica a tucana, deve ter sido registrado que nos finais de semana há uma maior concentração de pessoas, não só em bares e restaurantes, como em festas como os “paredões”.


“As medidas não são tomadas aleatoriamente, são baseadas em dados […] quando instituiu o toque de recolher, foi porquê estatisticamente foi identificado neste período que existe mais aglomeração, nos sábados e domingos, pessoas que vão para os restaurantes e bares, paredões, movimentos que vulnerabilizam todos nós”, opina.


A vereadora Maria Marighella manifestou o seu “respeito” aos prefeitos e governadores, não só de Salvador e Bahia, como de outros municípios e estados, diante do “apagão” do governo Bolsonaro diante da pandemia. 


“Devemos reconhecer o papel dos prefeitos e governadores, o Brasil precisa reconhecer, conseguiram cuidar das vidas enquanto o Governo Federal assume uma posição negacionista”, disparou a petista, acrescentando ainda o incentivo a não utilização da máscara de proteção e às aglomerações, por parte do presidente Jair Bolsonaro.


Segundo Marighella, é impossível se manter “indiferente” diante das mortes causadas pelo vírus, e por isso o discurso emocionado nesta segunda-feira, tanto de Rui Costa, quanto de Bruno Reis. 


“É um esforço coletivo na Bahia, tanto do governador quanto do prefeito Bruno Reis, de tomarem as melhores medidas. É impossível ficar indiferente, o governador chorou hoje […] são famílias com perdas, crianças fora da escola”, listou a vereadora. 


AUXÍLIO


Enquanto o Governo Federal não decide sobre um novo auxílio-emergencial, em Salvador a Prefeitura pretende prorrogar o programa “Salvador por Todos”. 


Se depender da CMS, o projeto mais uma vez deve passar sem maiores problemas. De acordo com os vereadores, o objetivo agora é conseguir fazer com que o benefício seja repassado para outras categorias.


“O que deixa as pessoas em casa são as alternativas. Tenho uma reunião com a Coalizão Negra por Direitos para a gente conseguir ampliar o benefício para outros setores. Somos absolutamente favoráveis à ampliação do prazo, mas precisamos fazer uma análise desses grupos e apresentarmos emendas aos beneficados”, explicou.

Marta Rodrigues aproveitou para pedir ao prefeito Bruno Reis que consiga estender o alcance do programa e garantiu que vai colocar o bloco à disposição e dar celeridade ao processo. “Sabemos da dificuldade financeira, mas temos que priorizar as vidas nesse momento”, salientou.


Paulo Magalhães Jr. garantiu que o prefeito não deve encontrar “nenhum” impedimento para aprovar a prorrogação do programa, que distribui o benefício de R$ 270,00 e também cestas básicas para cerca de 20 mil pessoas na capital baiana.


“A Câmara sempre esteve ao lado da cidade em momentos de dificuldade e vai continuar, buscando ampliar os segmentos que recebem esse auxílio”, assegurou.

Sobre admin

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
x

Veja Também

Prefeitura vai abrir cadastro de segunda dose para quem se vacinou em outros municípios

Nesta sexta-feira (15), em entrevista à Rádio Metropole, o secretário municipal da Saúde (SMS), Leo Prates, anunciou que Salvador vai ...